Conversa com o Papa sobre sua saúde: não tenho medo da morte

Não tenho medo da morte e a imagino em Roma. É o que afirma o Papa Francisco em uma entrevista que aconteceu dois anos atrás com o jornalista e médico Nelson Castro para um livro seu sobre a saúde dos Papas. A conversa com o Papa em em 16 de fevereiro de 2019 foi antecipada, neste sábado, pelo jornal argentino La Nación. 

Francisco diz que se sente bem e cheio de energia, graças a Deus. Recorda o “momento difícil”, em 1957, aos 21 anos, quando sofreu a retirada do lobo superior do pulmão direito por causa de três cistos. “Quando me recuperei da anestesia, a dor que senti foi muito intensa. Não é que eu não estivesse preocupado, mas sempre tive a convicção de que seria curado”, disse o pontífice.

Ele ressalta que a recuperação foi completa. “Nunca senti limitação em minhas atividades. Mesmo em várias viagens internacionais nunca tive que limitar ou cancelar” nenhuma das atividades programadas. “Nunca senti cansaço ou falta de ar (dispneia). Conforme os médicos me explicaram, o pulmão direito se expandiu e cobriu todo o hemitórax ipsilateral”, frisou.

O jornalista pergunta ao Papa se ele já foi psicanalisado: “Vou lhe contar como aconteceram as coisas. Eu nunca fui psicanalisado. Quando eu era provincial dos Jesuítas, durante os dias terríveis da ditadura, quando tive que levar as pessoas para a clandestinidade para tirá-las do país e salvar suas vidas, tive que lidar com situações que não sabia como enfrentar. Fui ver uma senhora – uma grande mulher – que me ajudou a ler alguns testes psicológicos para os noviços. Então, durante seis meses, eu a consultei uma vez por semana”.

Era psiquiatra. “Nesses seis meses, ela me ajudou a me orientar sobre como enfrentar os medos da época. Imagine como era transportar uma pessoa escondida no carro – apenas por um cobertor – e passar por três postos de controle militar na área do Campo de Mayo. A tensão que isso gerou em mim foi enorme.”

Ele lembra que a entrevista com o psiquiatra também o ajudou a aprender a controlar a ansiedade e a evitar decisões precipitadas. Ele fala sobre a importância do estudo da psicologia para um sacerdote: “Estou convencido de que todo sacerdote deve conhecer a psicologia humana”.

Neuroses

A seguir fala das neuroses: “Para as neuroses é preciso preparar um mate. Não só isso, é preciso acariciá-las. São companheiras da pessoa ao longo de sua vida”.

Francisco, como já tinha dito uma vez, recorda ter lido um livro que o interessou muito e o fez rir muito: “Rejoice in Being Neurotic” (Alegre-se por ser neurótico) do psiquiatra americano Louis E. Bisch: “É muito importante ser capaz de saber onde os ossos rangem. Onde eles estão e quais são os nossos males espirituais. Com o tempo, aprende-se a conhecer as próprias neuroses”.

Francisco fala sobre a ansiedade de querer fazer tudo imediatamente. Ele cita o famoso provérbio atribuído a Napoleão Bonaparte: “Veste-me devagar, estou com pressa.” Fale sobre a necessidade de saber desacelerar. Um de seus métodos é ouvir Bach: “Isso me acalma e me ajuda a analisar melhor os problemas”.

A morte como Papa, em exercício ou emérito

No final da entrevista, o jornalista pergunta se ele pensa na morte: “Sim”, responde o Papa. Se tem medo: “Não, de jeito nenhum”. E como imagina a sua morte: “Como Papa, em exercício ou emérito. Em Roma. Não voltarei para a Argentina”.