Osmar Terra e a importância da economia solidária

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, à frente da Secretaria de Economia Solidária ações do Ex-Ministério do Trabalho. Com a extinção da pasta, por Jair Bolsonaro, essa secretaria que atua na inclusão de pessoas em situação de vulnerabilidade econômica hoje sob o guarda-chuva da Cidadania que engloba as áreas de Desenvolvimento Social, Esporte e Cultura.

A realocação faz sentido, visto que Osmar Terra já foi ministro do Desenvolvimento Social e implementou projetos que fomentam a geração de empregos e a inclusão social - exemplo Plano Progredir. A Secretaria de Economia Solidária tem como princípio básico o compartilhamento dos espaços, a execução conjunta de atividades e o desenvolvimento de uma atividade produtiva por meio do cooperativismo. O intuito é gerar desenvolvimento econômico promovendo inclusão, renda e sustentabilidade ambiental, a exemplo das cooperativas de catadores que auxiliam na coleta seletiva aquecendo a indústria da reciclagem.

A ideia é que as ações que já estão sendo desenvolvidas no âmbito do extinto Ministério do Trabalho sejam incorporadas no Plano Progredir que atua conjuntamente com programas como o Bolsa Família. O portal do Plano Progredir oferece qualificação e vagas de emprego aos inscritos no Cadastro Único que são beneficiários do Bolsa Família. A ideia é alçar a renda das famílias carentes por meio da qualificação profissional e do trabalho.

O emprego e a inclusão social ganham mais repercussão com a divulgação recente do IBGE que aponta um aprofundamento das discrepâncias na distribuição de renda no Brasil. Segundo o relatório, divulgado em dezembro de 2018, os 10% mais ricos ganham mais de 17 vezes o rendimento dos 40% mais pobres, enquanto poucos têm mais de R$ 6.600 por mês, muitos vivem com apenas R$ 376 reais.

Essa realidade é especialmente cruel com os mais jovens, de acordo com dados do relatório, são mais de 18 milhões de jovens vivendo em situação de pobreza, com menos de 406 reais por mês, e mais de 5 milhões vivendo na extrema pobreza, com menos de U$ 1,90 dólares por dia, cerca de 140 reais por mês.

A tarefa de Osmar Terra é atuar conjuntamente com o Ministério da Economia para gerar vagas de emprego e direcioná-las aos mais necessitados. Já há programas nesse sentido que deverão ser fundidos à economia solidária e atuarão em múltiplas frentes no intuito de tornar esse país menos injusto na questão da distribuição da renda, do acesso ao emprego, da oportunidade de qualificação e da interrupção do ciclo da pobreza.

redacao@revistabrasilia.com.br