Turismo regional se fortalece com a criação de novos empreendimentos

Natal - A interrupção repentina e prolongada dos fluxos para destinos turísticos do Brasil e do mundo, ocasionada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), afetou os principais segmentos como transportes, hospedagem, agenciamento de viagens e serviços de alimentação e de lazer, com perdas de empregos e até o fechamento de várias empresas. Na contramão desse cenário, surge um empreendimento que está mudando a rotina, sobretudo nos finais de semana, da pacata Passa e Fica, cidade de pouco mais de 13 mil habitantes, encravada na microrregião do Agreste potiguar e distante 100 quilômetros da capital, Natal.

Com o advento da pandemia, aumentou a demanda turística por destinos de curta distância e em localidades que tenham a natureza como principal cenário. Tendo como grande atrativo a Pedra da Boca, uma formação rochosa com uma cavidade provocada por séculos de erosão, no limite com o município paraibano de Araruna, Passa e Fica está localizada no caminho de duas das serras mais visitadas por turistas de todo o país, Serra de São Bento e Monte das Gameleiras. Foi enxergando esee potencial para atrair turistas, principalmente de estados do Nordeste, que o empreendedor Leonardo Lisboa e o seu pai Manoel Lisboa Júnior, transformaram a Fazenda Calabouço, com uma área de 45 mil metros quadrados, pertencente à família no Hotel Fazenda Pedra da Boca.

Funcionando desde o último mês de agosto, o empreendimento turístico dispõe de 12 chalés, sendo um tamanho família com acomodação para até cinco pessoas, três chalés Luxo Superior que podem acomodar até 4 pessoas, cada um, e oito unidades na categoria Luxo com acomodação para um casal de hóspedes. Para pessoas com deficiência física e necessidades especiais, há um chalé adaptado conforme as normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiências ou com mobilidade reduzida.

Empresa familiar

O Hotel Fazenda Pedra da Boca é uma típica empresa familiar, tendo além de Leonardo, a irmã Marília, que ocupa o cargo de gerente, o irmão Danilo e os pais Manoel e Adriana Lisboa, que ficam no apoio geral. Além dos gestores, a empresa conta com 20 funcionários que atuam nas diversas áreas do meio de hospedagem.

Com as restrições impostas pela necessidade de distanciamento e cuidados redobrados contra o coronavírus, o turismo regional está em alta e o hotel de Passa e Fica está com ocupação completa até o próximo mês de outubro. “O turista está querendo sair com a família para um lugar ao ar livre e que ali encontre uma boa comida, atividades para crianças e possa aproveitar a natureza”, justifica Leonardo.

Segundo Leonardo Lisboa, o maior desafio como empreendedor na área, não foi somente a pandemia. “Foi começar de fato, pois nunca tive esse tipo de experiência. Nós nunca havíamos investido em hotelaria. Então é um grande desafio como um todo. Nenhum de nós tem formação em turismo. Todavia, o amor pela região e acreditando no turismo local nos fez investir na construção desse hotel”, explica.

O empresário explica que sempre contou com o Sebrae como um grande parceiro em todas as iniciativas que teve como empreendedor. Com o hotel não foi diferente, recebeu orientação e apoio desde a concepção da ideia à implementação, com um estudo de viabilidade do negócio. “Contamos com a consultoria do Sebratec que nos orientou na confecção de impressos, formatação do site, mídias sociais e as boas práticas”, afirma.

Além das paisagens naturais que se descortinam de todos os lados, o Pedra da Boca Hotel tem como atrativos os passeios à cavalos, charrete e rapel infantil. Em parceria com os guias de turismo locais, oferece trilhas e aventuras como o rapel na pedra da boca, um passeio radical denominado "Balanço da Boca" e em quadriciclos. O empreendedor anuncia uma novidade para os hóspedes mais aventureiros: a instalação de uma tirolesa, estrutura constituída por um cabo horizontal aéreo que liga dois pontos e pelo qual é possível deslizar suspenso através de roldanas presas ao arnês ou a uma cadeira de alpinismo.