Newton Lins apoia Bia Kicis para Presidência da CCJC

Por Carla Castro de Nóbrega | 

O presidente do Diretório do Partido Social Liberal (PSL), no Distrito Federal, Newton Lins, irá apoiar, tanto a chegada de Bia Kicis (PRP-DF) ao PSL, quanto sua candidatura para a Presidência da Comissão de Constituição Justiça e Cidadania (CCJC) na Câmara dos Deputados. Bia Kicis se elegeu pelo PRP, mas já anunciou sua vontade de trocar de legenda e a Executiva Nacional do PSL tem sido simpática à sua chegada.

Embora tenha havido ataques ao PSL, durante a campanha, por parte de Bia Kicis, nas redes sociais, a atitude de Lins é uma demonstração de partidarismo, colocando o interesse conjunto acima de diferenças pessoais. “Para coisas negativas prefiro não olhar no retrovisor e sim, visando projetos futuros. Não faço política com o fígado e admiro a determinação de vencer da deputada”, arrematou Lins, em entrevista.

A cláusula de barreira impede o PRP de continuar como uma legenda independente no Congresso Nacional. Portanto, ou o partido se funde a outro, ou os parlamentares eleitos migram para outras legendas. Dessa forma, a bancada do PSL deve crescer e superar a bancada do Partido dos Trabalhadores (PT) como o partido com mais cadeiras na Câmara dos Deputados.

Para Newton Lins, a vinda de Bia Kicis “representa um reforço para o partido”. E ela estando no PSL, Lins torce para sua candidatura à CCJC vingar, em virtude de ela ter sido procuradora do DF por 24 anos e possuir expertise na área jurídica. Para o PSL, quanto mais parlamentares na bancada, maior será a força para os projetos do governo, que são bastante ambiciosos e que requerem um quórum qualificado para serem aprovados, a exemplo a Reforma da Previdência.

O partidarismo de Newton Lins é louvável na medida em que condiz com os objetivos do PSL. O Diretório do Distrito Federal está completamente alinhado às diretrizes da Executiva Nacional do partido. Apesar do Presidente Jair Bolsonaro afirmar que se manterá distante das decisões legislativas, ele vê com bons olhos a união que se constrói no PSL para formação de um bloco coeso, sem rachas e nem disputas intrapartidárias.

É nítido que tanto no Executivo, como no Legislativo, as engrenagens vão se ajustando e a tendência é que o governo chegue muito forte para o início dos trabalhos do Congresso Nacional logo no dia 1º de fevereiro. A expectativa de investidores e da população brasileira, em geral, é extremamente positiva para as pautas econômicas, para o combate à corrupção e para o incremento da segurança pública, saúde e educação.

redacao@colunapolitica.com.br