Bolsonaro: Conselho vai acompanhar e fiscalizar atividades em Brumadinho (MG)

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou neste sábado (26) a criação de um Conselho Ministerial de Supervisão de Respostas a Desastre para acompanhar e fiscalizar as atividades de socorro e recuperação do município de Brumadinho (MG).

A medida é uma resposta à situação emergencial no município em decorrência da ruptura da barragem do Córrego Feijão, e de suas repercussões na bacia do rio Paraopeba. Em sua conta no Twitter, Bolsonaro informou a população que o Conselho já foi instituído e pode desenvolver as atividades previstas em decreto publicado no Diário Oficial da União. 

O conselho ministerial será composto por 15 ministros de Estado: o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também responsável pela coordenação do conselho; da Defesa, Fernando Azevedo e Silva; da Economia, Paulo Guedes; da Cidadania, Osmar Terra; da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; de Minas e Energia, Bento Albuquerque; do Meio Ambiente, Ricardo Salles; do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto; da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves; do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno; da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro; da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas; da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno; e da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Souza. e o Advogado-Geral da União, André Mendonça.


Comitê de gestão

Enquanto o conselho vai acompanhar e fiscalizar as ações em Brumadinho, o órgão executivo, isto é, o Comitê de Gestão e Avaliação de Respostas a Desastre, vai acompanhar as ações de socorro, assistência, reestabelecimento de serviços, recuperação de ecossistemas e reconstrução.

O comitê será composto por representantes dos mesmos órgãos que participam do conselho ministerial e representantes dos seguintes órgãos:


  • Governo municipal de Brumadinho (MG) e do estado de Minas Gerais

  • Outros órgãos e entidades da administração pública federal

  • Ministério Público Federal

  • Ministério Público do Estado de Minas Gerais

  • Defensoria Pública Federal

  • Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais

  • Advocacia-Geral do Estado de Minas Gerais
  • Governos, ministérios públicos, defensorias e advocacias públicas de estados e municípios eventualmente atingidos.

Os representantes dos órgãos que compõem o Comitê de Gestão também poderão indicar integrantes de instituições acadêmicas, pesquisadores e especialistas de áreas técnicas relacionadas aos objetivos do comitê.


Atribuições

Na prática, o Comitê de Gestão e Avaliação de Respostas a Desastre será responsável pelas seguintes atividades:

  • Monitorar procedimentos adotados para solução das demandas da população
  • Acompanhar medidas de recuperação e de reconstrução
  • Coordenar e monitorar a ação dos órgãos e das entidades públicas federais
  • Propor ações a órgãos e entidades públicas estaduais e municipais
  • Propor estudos ou medidas de aperfeiçoamento legislativo e
  • Apoiar a atuação do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil no caso.

 

O comitê vai funcionar pelo prazo de seis meses contados a partir deste sábado (26). Em caso de necessidade, o prazo é prorrogável por igual período. As reuniões acontecerão semanalmente e encontros extraordinários podem ser convocados pelo coordenador. Após o encerramento das atividades, o comitê deve entregar, em até 60 dias, um relatório final ao ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Fonte: Ministério da Economia
Foto: Reprdução