Servidores do Centro Obstétrico do HRT protestam contra exoneração arbitrária da supervisora de enfermagem

Em toda gestão, com uma liderança que faz acontecer, é comum que “em time que está ganhando não se mexe”. Com essa expressão, servidores do Centro Obstétrico do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) reivindicam o retorno da enfermeira Pâmela Belezia de Andrade, exonerada do cargo de supervisora de enfermagem, na última segunda-feira (20).

A destituição arbitrária ocorrida após o retorno de férias da servidora gerou reações entre os profissionais do hospital, uma vez que a enfermeira desempenhava uma gestão eficiente, na busca pela melhoria na qualidade da assistência qualificada da equipe de enfermagem, tendo como base a humanização e o cuidado integral e seguro às parturientes.

De acordo com técnicos em enfermagem do Centro Obstétrico, a então superintendente atuava com forte liderança no setor, na solução de problemas, norteando as competências da equipe, gerando autonomia no planejamento e na tomada de decisão compartilhada entre os profissionais, resultado que repercutiu diretamente na saúde organizacional do hospital e na segurança das pacientes.

Na quarta-feira (22), com uma faixa estendida na entrada da unidade hospitalar, servidores realizaram um protesto com um abaixo-assinado contra a exoneração da enfermeira. Os trabalhadores pediam o retorno da chefe pela competência e capacidade de liderança transformacional no setor. No requerimento que pede a permanência da enfermeira na supervisão de enfermagem, os trabalhadores destacam a “competência e espírito de liderança”, pela condução da equipe de enfermagem com maestria.


Sindate repudia exoneração

Nesta quinta-feira (23), o diretor do sindicato Newton Batista reuniu-se com os profissionais de enfermagem do Centro Obstétrico do HRT para discutir e encontrar soluções contra o ato. Batista destacou que o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem (Sindate-DF) repudia com veemência a decisão arbitrária que destituiu a profissional do cargo de supervisora de enfermagem, uma vez que a servidora possui um bom histórico de gestão e de liderança frente à supervisão do Centro Obstétrico, até com recomendações da equipe.

Em vídeo gravado, o dirigente sindical ressalta que esteve na unidade hospitalar para reforçar a reivindicação dos trabalhadores, que foram pegos de surpresa com a exoneração da servidora. O diretor considera o ato como uma “decisão política”, por não haver razões para a exoneração e tampouco por não ter ouvido os profissionais do setor. 

“A enfermeira [Pâmela Belezia] é uma pessoa competente e que defende a equipe com liderança, e é isso que precisa ser levado em consideração, a harmonia da equipe e, principalmente, o atendimento ao paciente lá na ponta, porque uma equipe bem liderada, bem treinada e bem dirigida, o reflexo está no paciente, e isso tudo está no Centro Cirúrgico”, pontua. Newton pondera que o Sindate não se une e rejeita esse tipo de situação. “Iremos lutar e fazer algumas reuniões com a gestão para que esse ato seja revisto e a supervisora retorne ao cargo no CO”, finaliza. 

O diretor do Sindate irá se reunir na próxima semana com o diretor do HRT para solicitar o retorno da profissional para a supervisão do Centro Obstétrico do hospital.