Relatório aponta falhas nos trabalhos realizados pelos Agentes de Vigilância Ambiental em Saúde

Um relatório divulgado, na última semana, pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SEDF), apontou irregularidades no trabalho dos Agentes de Vigilância Ambiental em Saúde (AVAS). Entre outras atribuições, a categoria é responsável pela fiscalização dos focos de Dengue em todo o Distrito Federal. Em 2019 os casos bateram recordes: foram mais de 30 mil diagnósticos de Dengue em todo o DF.

De acordo com o documento, os agentes não estão realizando com eficiência as visitas domiciliares. Além disso, os relatórios sobre as visitas estão sendo preenchidos de maneira correta. As informações foram divulgadas pela TV Globo na última quinta-feira (27).

A Secretaria de Saúde foi questionada sobre o assunto. Dentre os diversos questionamentos feitos à pasta, o site Revista Brasília perguntou como a Secretaria pretende garantir a atuação eficaz por parte dos servidores. A pasta também foi questionada sobre como atuar para evitar esse tipo de falhas de atuação dos Agentes de Vigilância Ambiental em Saúde. Não foram dadas respostas plausíveis às indagações.

De maneira rasa, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal respondeu a solicitação enviada pelo site Revista Brasília. A pasta sintetizou oito questões em uma única informação. O órgão ressaltou que “teve ciência do documento citado, mas ainda não teve acesso a ele”, informa. Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde, “o relatório [em questão] foi produzido pela direção passada da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) ”, o que não tem relação com a atual gestão que ainda será nomeada.

A secretaria disse ainda que, assim que a nova diretoria assumir debaterá “com os responsáveis pela produção do relatório para ter acesso a ele, avaliá-lo e tomar as devidas providências administrativas, de acordo com o que preconiza a legislação sobre a conduta dos servidores”. Sobre as providências já tomadas, questionadas pelo site Revista Brasília, a Secretaria de Saúde não respondeu.


O outro lado

Procuramos o Sindicato dos Agentes de Vigilância Ambiental em Saúde e Agentes Comunitários de Saúde (Sindivacs), para se posicionar sobre o assunto. A entidade representante da categoria informou não ter conhecimento do relatório inicialmente publicado pela TV Globo. 

Ainda de acordo com a presidência do Sindivacs, Aldemir Domício, os servidores vêm exercendo normalmente suas funções sem falhas na atuação. A entidade ressalta que no dia a dia faltam materiais básicos para os agentes de campo [como são chamados os Agentes de Saúde Ambiental] realizarem com eficácia suas atividades. Estes materiais, de acordo com a entidade, devem ser repassados pela Secretaria de Saúde.