'A coleta de lixo tem deve ser um serviço público", diz Cristovam em resposta a Ibaneis

Após o site Coluna Política publicar uma notícia de que o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), deseja “implementar uma Parceria Público Privada (PPP) para a coleta seletiva do lixo e limpeza urbana”, autoridades públicas vieram a público se manifestar sobre o tema. Aproveitando o debate sobre a privatização, o Justiça Em Foco conversou rapidamente com o ex-governador e ex-senador pelo DF, Cristovam Buarque (Cidadania-DF), para saber qual a sua avaliação sobre a proposta em análise pelo gabinete de Ibaneis Rocha. 

A seguir, trechos da entrevista:

Justiça Em Foco: Como o senhor avalia a possibilidade de privatização da coleta de lixo?
Cristovam Buarque:
A coleta de lixo tem de ser um serviço público: para beneficiar ao público. Nada indica que este serviço estatal sirva melhor ao público. Tampouco que privatizando faz fazê-lo mais público. É preciso ver como fazer a cidade mais limpa a um custo menor para o público contribuinte. A opção não deve ser entre o público e o estatal, mas entre a melhor qualidade e o menor preço.

Justiça Em Foco: Qual seria a consequência disso para a população?
Cristovam Buarque:
Depende: vai ficar mais caro? Vai ficar menos limpo? Ou vai ficar mais limpo e mais barato? Gostaria de responder depois de ter uma avaliação do sistema atual e os dados do novo sistema proposto.

Justiça Em Foco: Essa descentralização da coleta de lixo pode ser prejudicial em quais sentidos?
Cristovam Buarque:
Não conheço os detalhes para dizer se vai ser prejudicial ou se vai ser benéfica.

Justiça Em Foco: Qual seria a proposta mais ideal, do ponto de vista sustentável, para coleta de lixo no DF? Pode ser aplicado a curto prazo?
Cristovam Buarque:
Pode ser aplicado de imediato:
1. Campanha educacional para a sociedade “produzir” menos lixo.
2. Criar mecanismo para cobrar de quem “produz” lixo.
3. Montar um sistema de parceria com cooperativas de trabalhadores desempregados para que colete e recicle lixo, nos moldes do que foi feito no governo 95-98 com o projeto “carroças verdes”.
4. Montar sistemas de cooperação estatal privada de maneira a obter a maior limpeza ao menor custo.
Limpeza, como trânsito, é uma questão de educação.

 

Por Mário Benisti
Site Justiça Em Foco
Imagem: Agência Senado