Com incertezas no radar, IMA-Geral tem desempenho mensal negativo de 0,41% Revista Brasília
INVESTIMENTOS

Com incertezas no radar, IMA-Geral tem desempenho mensal negativo de 0,41%

Anbima  -   14 de setembro de 2021

O mês de agosto foi marcado pela desvalorização de 0,41% do IMA-Geral, que reflete a carteira de títulos públicos semelhante à que compõe a dívida pública interna brasileira marcada a mercado. De janeiro a agosto, a redução é de 0,37%. Esses desempenhos, tanto no mês e quanto no ano, são resultados das pressões inflacionárias acima do que estava previsto pelo mercado e das incertezas fiscais por parte dos investidores, atingindo com maior força os subíndices IMA-B5+ e IRFM-1+, que reúnem os títulos mais longos da dívida.IMA-GERAL.png

O IMA-B5+, carteira que reflete os títulos públicos indexados à inflação e de vencimento acima de cinco anos, desvalorizou 2,22% no mês, o que ampliou ainda mais a sua queda neste ano (5,44%). Em direção semelhante, o IRFM1+, subíndice dos títulos pré-fixados acima de um ano de vencimento, recuou 1,11% no mês e acumula perda de 5,18% em 2021. Essas carteiras só não se desvalorizaram ainda mais porque as incertezas internas foram contrabalanceadas pelo cenário externo positivo, proporcionado pelos juros reais extremamente baixos.IMAB5_ e IRFM1_.png

Os títulos públicos indexados à taxa Selic diária seguem atrativos em virtude do ciclo de aumentos da taxa de juros para controlar a inflação. Um indicativo é a valorização de 0,44% do IMA-S (carteira das LFTs) no mês, a maior performance neste período, e que assegurou o melhor resultado da família IMA em 2021 (2,13%).

O IMA-B5, que mostra o comportamento dos títulos de até cinco anos de vencimento e atrelados à inflação, registrou aumento de 0,15%, rendendo 1,47% em 2021. O IRFM-1, que retrata o desempenho dos títulos pré-fixados de até um ano de vencimento, também apresentou variação mensal e anual positiva, 0,36% e 1,37%, respectivamente.

Em relação aos títulos corporativos, o IDA-Geral variou 0,44% em agosto. E o destaque desse período foi daqueles papéis indexados à taxa diária de curtíssimo prazo. O IDA-DI (carteira de debêntures indexadas ao DI diário) apresentou 0,73% de rendimento, ampliando sua performance para 4,53% em 2021. Em seguida, o IDA-IPCA ex-Infraestrutura registrou 0,67% de rentabilidade mensal, garantindo o melhor desempenho da família IDA de janeiro a agosto (4,83%). O IDA-IPCA Infraestrutura (que reflete as debêntures de infraestrutura em mercado) variou negativamente em 0,06% no mês; apesar disso, acumula rendimento de 2,44% no ano.

Compartilhe